O chão não é só sujeira

O chão também é arte. ❤ Eu, como moro no centro de SP, caminho por ruas, majoritariamente, pavimentadas. Eu amo ver a arte que cada piso tem, desde um piso feito pra ser bonito (como o de shoppings) a pisos comuns que a pessoa que o escolheu teve aquela escolha porque achou simplesmente bonito ou bom.

Meus pisos favoritos são os que têm desenhos, pedras, desenhos feitos com giz (<3 um like especial pra esses pisos porque se alguém caminhar em cima geralmente não apaga fácil, é uma “pintura” resistente ao atrito, e, como nada agrada todo mundo, quando chove eles se vão e dão lugar pra que um novo desenho possa ser feito). Um pouco mais sobre os pisos de giz, não me refiro aos que as crianças fazem, sem desmerecer nem um pingo das crianças porque quando eu era criança a calçada de frente à minha casa era o meu mural, haha mas me refiro ao que artistas realmente fazem, já conheci gente que foi contratada pra fazer esse tipo de arte. *-* Tem gente que acha que eles são vândalos etc… nada a ver!

Quando eu fui com a minha família a Aparecida, uma vez, haviam tapetes de areia/pó (não lembro exatamente o material, mas eram grãos super macios e coloridos). Eu achei aquele trabalho muito lindo! Não me cansava de ficar admirando! Mas o chato daqueles é que se alguém pisar já desmancha 😦 e eu fui uma das crianças (tinha 6 anos +/- na época) que pisou na arte 😐 MAS, obviamente, minha mãe me avisou imediatamente que eu não deveria pisar lá e quando regressamos, anos depois, à igreja, estava de novo a arte no chão e eu gostei bastante, tirei fotos que já se perderam no tempo, e não pisei de novo. 🙂

Eu gosto bastante de tirar fotos dos pisos quando eu estou esperando um ônibus, estou caminhando pra algum lugar que usualmente não vou a pé ou não vou pra esse lugar, entre outros fatores. Essas são alguma fotos simples que tirei do chão pegando o meu sapato pra deixar mais óbvio que é um piso:

IMG_0153

Rua Alemanhã, indo ao MIS (Museu da Imagem e do Som)

IMG_0582

Ponto de ônibus na Augusta, de frente ao Conjunto Nacional (esse, pra quem conhece, dava pra adivinhar, né?)

IMG_0584Também na Rua Augusta haha ao lado do Parque Augusta

Eu gosto mais dessas fotos como quadrado, como elas foram postadas no meu Instagram!

Obrigado por ter lido!

Me siga no Twitter pra acompanhar as novidades do blog!

xoxo

Anúncios

Bebês

Faz tanto tempo que eu não posto aqui no blog que eu estou até me sentindo mal por isso. Mas agora eu voltei e pretendo já fazer dois post para hoje. 🙂

No Dia das Crianças, eu fui visitar a criancinha da família: minha prima Sofia. Ela é muito fofa, tem 5 meses e já tem essa fofura (peso) toda.

O que eu acho muito interessante é que ela sempre olha pra câmera na hora da foto. hahaIMG_0296IMG_0294

O que eu acho muito interessante é que ela sempre olha pra câmera e na hora da foto, e se não me iludo com isso, ela tenta imitar a expressão da pessoa.

Obrigado por ter lido!

Espero que tenha gostado!

Até mais!

xoxo

Primeiro post, acho que já estou gostando disso. rs

Oi! Nesse primeiro post eu vou falar sobre um dos amores da minha vida: Animais. Eu já tive vários animais (pássaro, peixe, porquinho-da-Índia, gato etc.) e hoje vou falar um pouco sobre o meu atual gato: Nano.

O Nano tem dois anos de idade e, até onde eu saiba, é um mestiço de siamês com albino. Ele é muito carinhoso, dócil, mas também tem os seus momentos de estresse quando não o dão atenção. Ele tem dois anos de idade e chegou em casa quando tinha 2 meses.

Ter adotado o Nano foi a melhor coisa pra essa casa. Ele traz tanta felicidade pra todos, não deixa ninguém se sentir sozinho e é muito engraçado. Ele se acha uma pessoa. rs

Ter um animal em casa não é simplesmente tê-lo. Ter um animal em casa é cuidar, dar carinho, fazer tudo o que você faria. Tem que tratá-lo como se fosse uma criança. Não é difícil. Não adote um animal se não for pra cuidar, pode deixá-lo na “fila de espera” que aparecerá alguém fará isso.

Esse é o Nano quando chegou em casa, um domingo pouco antes do almoço (ele era tão magro que a coleira no mínimo ficava folgada, saia fácil sem precisar desabotoar).

Esse é ele quando chegou. Ele era tão magro que a coleira no mínimos ficava folgada e saía facilmente sem desabotoar.

Esse sou eu e ele mais recentemente no sofá enquanto ele fazia a atividade favorita dele: Dormir.

Obrigado por ter lido!

Bom final de semana!

xoxo